Síndicos podem sofrer da sindrome de burnout

18/06/2019

Profissionais que atuam em vários condomínios estão entre os mais atingidos


A síndrome de burnout é caracterizada pela Exaustão Emocional (E.E), Despersonalização (D.E) e a Reduzida Realização Profissional (R.R. P). Na E.E o indivíduo experimenta a sensação de não ter mais energia, de esgotamento físico, mental ou os dois. Na D.E, o profissional torna-se frio e impessoal e passa a ter atitudes de cinismo e ironia. E na R.R. P o sentimento é de insuficiência, baixa autoestima, desmotivação, fracasso profissional, insatisfação com as atividades laborais, levando-o a ter baixa eficiência no trabalho.

Profissionais que trabalham diretamente com pessoas são os mais susceptíveis a síndrome de burnout (SB), e entre eles estão os síndicos mais especificamente os " síndicos profissionais" , que atualmente desenvolvem trabalhos em vários condomínios, sobrecarregado for sua função de gestor de condomínios com multi áreas de lazer ( home club´s ) . Diferente dos síndicos nos primórdios, agora ele precisa fazer toda a gestão de áreas do condomínio, supervisionar o trabalho da zeladora, da recepcionista e do vigia que é terceirizado, que não possui uma supervisão ativa por parte da contratada, ser responsável pela manutenção predial alem das demais tarefas específicas exigidas por lei nesta nova profissão.

Somando as multitarefas do síndico profissional em um único condomínio, multiplicando por 7, que é a media de condomínios atendidos por este profissional, mais toda comunidade condominial atendida, formada por pessoas, que normalmente tem grande expectativa em seu trabalho, formam todos os ingredientes para o desenvolvimento da Síndrome de Burnout , gerando sofrimento para o individuo e sua família.

A síndrome de burnout pode ser representada como um fogo que sufoca e uma sensação de estar acabado. É um processo que ocorre devido à cronificação do estresse ocupacional, acarretando em consequências negativas para o indivíduo, para a sua profissão, família e sociedade.

Recomendações

* Não use a falta de tempo como desculpa para não praticar exercícios físicos e não desfrutar momentos de descontração e lazer. Mudanças no estilo de vida podem ser a melhor forma de prevenir ou tratar a síndrome de burnout;

* Avalie quanto as condições de trabalho estão interferindo em sua qualidade de vida e prejudicando sua saúde física e mental. Avalie também a possibilidade de propor nova dinâmica para as atividades diárias e objetivos profissionais.

Joice Gozzi

Pesquisadora em Síndrome de Burnout pelo IELUSC e Acadêmica de Enfermagem.